Saúde

Berberina verificada como antibacteriano e antivírico

Em 2014 Ning Sun et al, num estudo entre cientistas de entidades chinesas, norte-americanas e a Universidade de Groningen, na Holanda, assinalaram “melhorias evidentes na atividade anti-bacteriana” na presença de berberina, em S.aureus resistente à meticilina, E.faecium resistentes à vancomicina , E.coli e K.pneumoniae, através da inibição da atividade funcional da proteína FtsZ, uma proteína essencial à sobrevivência destas bactérias.

Estes resultados foram confirmados, em 2016, por Ming-Chu, para infeções por Staphylococcus aureus.

Outro aspecto importante da berberina é a sua interação benéfica com antibióticos de uso corrente. Zhou et al, em 2016, assinalaram as melhorias na combinação entre ciprofloxacina e berberina para tratamento da bactéria oportunista Klebsiella pneumoniae.

Os resultados mostram que a berberina afeta a síntese da membrana celular, induz o aumento de permeabilidade da membrana e sua despolarização e aumenta as espécies reativas ao oxigénio (ROS)

virus e bacteria_tratamento com berberina em candida albicans

A berberina prova ser eficaz no combate a determinados vírus e bactérias

Zhit et al, em 2015, constatam o efeito da berberina no combate e bloqueio da recorrência da bactéria Clostridium difficile e respectivos sintomas – diarreia, colite, perda de peso – em combinação com vancomicina.

Um mecanismo importante observado por estes cientistas foi a modulação e preservação da flora intestinal.

No abstrato do estudo, a equipa refere: “providenciamos provas experimentais de que a combinação de berberina e vancomicina pode efetivamente bloquear a ocorrência de C.difficile e sustentar um resultado final muito melhor que o alcançado com vancomicina isolada… ”

Berberina em Candida Albicans

Ainda no campo dos microrganismos, cientistas croatas observam o efeito da berberina no combate a Candida albicans. Os resultados mostram que a berberina afeta a síntese da membrana celular, induz o aumento de permeabilidade da membrana e sua despolarização e aumenta as espécies reativas ao oxigénio (ROS) ou seja, desgasta a membrana celular e gera stress oxidativo como forma de combate à Candida albicans. Estes resultados estão em linha com um estudo efetuado por cientistas brasileiros, em 2016.

Por fim, também os vírus parecem ser sensíveis à acção da berberina. O vírus Chikungunya infetou milhões de pessoas em regiões tropicais e subtropicais na última década. Após resultados promissores in vitro, Varghese et al confirmaram in vivo, em modelo animal, a eficácia da berberina, com redução do vírus e inflamações induzidas pelo mesmo.